Harmonização de vinhos: 7 dicas para acertar na escolha

Provavelmente você já deve ter ouvido falar que a harmonização de vinhos com comida pode transformar qualquer almoço ou jantar, não é verdade?

Isso acontece porque um complementa o outro e, com a junção dos aromas, sabores e texturas, há o despertar de incríveis sensações sensoriais, especialmente a gustativa e a olfativa. Se você tem interesse nesse assunto, continue com esta leitura e saiba um pouco mais!

Afinal, como ocorre a harmonização de vinhos?

Hoje em dia, é possível dizer que existem basicamente dois grandes estilos de harmonização de vinho com comida, sempre levando em consideração alguns elementos básicos, como acidez, doçura, amargor, teor de gordura e teor alcoólico.

O primeiro estilo, normalmente o mais usado, ocorre por complementação, ou seja, os aromas e, em especial, os sabores são similares, tanto do alimento, quanto da bebida. Um exemplo é uma sobremesa adocicada e leve, que deve combinar com um vinho que também tenha um certo dulçor e que não seja tão intenso.

Já o segundo é totalmente o contrário. Isso significa que a harmonização vai acontecer de acordo com as características opostas de cada um. Por exemplo: um molho de carne mais cremoso e gorduroso que combina com um vinho mais seco e ácido.

Vale mencionar que nos dois casos a harmonização consegue ser realizada para almoços e jantares. Entretanto, deve-se lembrar sempre de que a tendência é deixar combinações mais intensas para o período noturno, tornando um momento inesquecível aquele encontro de amigos, de colegas de trabalho ou jantar romântico.

Quais são as dicas para harmonizar?

Existem algumas dicas gerais que auxiliam a fazer as melhores escolhas em uma harmonização. Tudo isso vai ser baseado na combinação da bebida com as características dos alimentos, com o sabor e com os grupos a que pertencem. Por exemplo:

  • comidas apimentadas com vinhos menos alcoólicos;
  • sabores cítricos com vinhos brancos;
  • alimentos terrosos com vinhos terrosos;
  • carnes de sabor intenso com vinhos com taninos fortes;
  • carnes brancas e sem molhos com vinhos brancos;
  • molhos à base de queijo ou amanteigados com vinhos brancos mais cítricos;
  • alimentos de menos sabor, como massas e aves, com vinhos adequados aos molhos das refeições.

É elementar que você saiba que não são regras, mas sim ideias de boas combinações que podem ser usadas para tornar momentos e refeições ainda mais especiais, com sensações incomparáveis. Confira 7 sugestões!

1. Queijos

Normalmente, a harmonização dos queijos se baseia na intensidade de sabor de cada alimento. Os queijos mais suaves e frescos, como ricota, muçarela de búfala, brie e queijo coalho, combinam com vinhos brancos de pouco aroma e leves, como o Chardonnay, Sauvignon Blanc e Pinot Grigio.

Já os queijos mais duros e de média a longa maturação, como prato, cheddar, pecorino, provolone e tipo grana, combinam com espumantes e vinhos tintos de leve aroma e de média a alta intensidade, como Merlot, Cabernet Sauvignon e Chianti.

Por fim, temos os queijos azuis, como gorgonzola e roquefort, que harmonizam com vinhos brancos aromáticos, como o Cabernet Sauvigon e o Riesling, e vinhos tintos frisantes, como o Barbaresco e o Barolo.

2. Entradas: cremes e saladas

Usualmente servidos como entradas, os cremes (de alho-poró, de abóbora e de batata, por exemplo) e as saladas possuem sabores mais leves, não tão marcantes quanto pratos principais. Por esse motivo, a ideia é usar vinhos coringas, que podem ser combinados com a maioria desses tipos de pratos, como o rosé, refrescante e agradável, e vinhos brancos mais clássicos, como Cabernet Sauvignon e Chardonnay.

3. Massas e risotos

Versáteis e facilmente preparados, as massas e os risotos possuem sabores muito neutros e dessa forma devem ser combinados de acordo com os ingredientes que são acrescentados a fim de oferecer sabor e aroma.

Um risoto (ou massa) mais leve, feito de aspargo, lagostim e finalização com manteiga, queijo e raspas de limão siciliano, por exemplo, combina muito bem com um vinho branco, como o Chardonnay.

Agora se for feito com ingredientes mais intensos, como cogumelo seco, linguiça toscana e finalização de queijo tipo grana padano, a harmonização deve acontecer com vinhos tintos encorpados, como Malbec, Shiraz e Bordeaux.

4. Peixes e frutos do mar

Peixes grelhados, camarão e bacalhau possuem sabores mais intensos e combinam com vinhos verdes e vinhos brancos mais encorpados, como Chardonnay. Vieiras, lagostas e moluscos possuem sabores mais suaves e, feitos de forma simples, combinam com vinhos brancos leves, como Sauvignon Blanc, Pinot Grigio e Chablis.

5. Carnes brancas

Considerada uma proteína mais magra, a carne branca pode harmonizar tanto com vinhos brancos, quanto com tintos suaves, como Roussanne, Chardonnay e Pinot Noir. Lembre-se de que é importante pensar no molho sempre que houver e dessa forma criar a harmonização de acordo com esse sabor.

6. Carnes vermelhas

As carnes vermelhas também são bem versáteis, como de boi e de cordeiro. Assim, a dica é utilizar vinhos tintos e aumentar a intensidade das garrafas de acordo com o alimento.

Carnes mais tradicionais, fibrosas e suculentas, que são feitas grelhadas, como o contrafilé, combinam com vinhos encorpados e com bastante tanino, como o Malbec. Carnes mais magras, como filé mignon, combinam com vinhos tintos, como o Syrah.

Já as carnes de caça, costelas e rabadas, por exemplo, são bem mais fortes e por isso pedem por vinhos aromáticos, com alta acidez e com elevado tanino, como Tempranillo.

7. Sobremesas

Por fim, as sobremesas. Em geral, elas combinam muito bem com vinhos brancos mais adocicados, como o Riesling e o Moscato, os vinhos rosé, que possuem um elevado dulçor, frisantes e espumantes.

Doces a base de chocolate, como brownie, mousses, brigadeiros e petit gateau harmonizam, em especial, com o vinho do porto, que é mais adocicado, embora seja bem intenso e tânico.

É isso, agora que você já conhece incríveis dicas para acertar na escolha de harmonização de vinhos, não perca tempo e transforme o seu almoço ou jantar, tornando-o mais especial. Não se esqueça de que essa é uma maneira de receber ainda melhor os seus amigos e deixar o momento inesquecível.

Gostou do artigo de hoje? Então saiba como escolher corretamente a taça para tomar o vinho. Até mais!